Contribuições para a Sistematização de Experiências Ecossocioeconômicas: Um Estudo na Associação Acolhida na Colônia Urubici

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21664/2238-8869.2023v12i3.p177-193

Palavras-chave:

teoria da prática, inteligibilidade, turismo de base comunitária, ecossocioeconomias

Resumo

O artigo contribui com a sistematização de experiências ecossocioeconômicas, conduzidas por meio da Metodologia de Incubação de Demandas Organizacionais/Territoriais (MIDO-T) e do Formulário Qualitativo de Coleta de Dados (FQCD), para além de seu caráter descritivo, agregando dimensões intersubjetivas. O estudo foi realizado na Associação de Agroturismo Acolhida na Colônia em Urubici/SC. Adotou-se o método da imersão fenomenológica combinando a observação participante com entrevistas em profundidade. A análise de dados baseou-se na comunicologia fenomenológica, com suporte do software Atlas Ti 22®. A análise fenomenológica identificou três elementos para contribuir com o FQCD: (1) elementos da história social, econômica e cultural do território, que impactam na configuração e nos resultados da experiência; (2) benefícios coletivos percebidos pelos sujeitos; (3) valores coletivos. Esses elementos contribuem para a apreensão, descrição e compreensão de dimensões intersubjetivas na sistematização de experiências ecossocioeconômicas. Os elementos históricos ampliam a compreensão da configuração da experiência, e de seus resultados. A identificação de benefícios e valores coletivos percebidos contribui para conhecer o processo de produção de sentido, e com isso compreender de que forma as relações intersubjetivas revelam aspectos que não são apreensíveis de forma direta. Em relação à MIDO-T e ao FQCD faz-se as seguintes recomendações: (1) que na sistematização sejam privilegiados métodos de pesquisa que ampliem o envolvimento do pesquisador com a realidade estudada; (2) inclusão de campos no FQCD que permitam coletar dados referentes aos elementos apresentados acima; (3) substituir o nome do formulário para Formulário de Sistematização de Experiências Ecossocioeconômicas (FSEE), para explicitar sua função e seu objetivo, bem como ampliar sua abordagem.

Referências

Alcântara LC, Sampaio CAC. 2019. Bem viver e ecossocioeconomias. Cuiabá: EdUFMT.
Alcântara L., Grimm IJ. 2017. A Ecossocioeconomia e o bem viver na perspectiva do Urbano. RELACult – Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura, 03(02):121-144.
Antonsich M. 2017. Territory and Territoriality. International Encyclopedia of Geography: People, the Earth, Environment and Technology:1–9. doi:doi:10.1002/9781118786352.wbieg0022
Associação de Agroturismo Acolhida na Colônia (homepage na internet). Prêmios conquistados pela Acolhida e sua equipe. Acesso em 15 de Janeiro de 2023, disponível em Acolhida na Colônia: https://acolhida.com.br/sobre/premios/
Berkes F., Colding J., Folke C. 2000. Rediscovery of Traditional Ecological Knowledge as Adaptive Management. Ecological Applications, 10(5):1251-1262. doi:https://doi.org/10.2307/2641280
Borges VD. 2014. Dinâmica social do espaço rural: O turismo de base comunitária da rede de agroturismo Acolhida na Colônia. Revista Turismo & Desenvolvimento, 21(22):439-451.
Buratto LG., Buratto JA., Soares NM., Oliveira OR. 2013. Urubici e suas belezas naturais: uma história da serra catarinense (2ª ed.). Ed. dos autores, Tubarão, SC, 439 pp.
Certeau M. D. 2012. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. Ed. Vozes, Petrópolis, RJ, 315 pp..
Dagnino, R. 2014. Tecnologia social: contribuições conceituais e metodológicas. Eduepb, Campina Grande.
Etzioni, A. 2015. The new normal: finding a balance between individual rights and the common good . Transaction Publishers, Brunswick.
Expedições Latinas (homepage na internet). Urubici - Serra Catarinense. Acesso em 28 de agosto de 2023, disponível em Expedições Latinas: https://www.expedicoeslatinas.com.br/p/urubici-serras-catarinenses.html
Fantini A., Rover OJ., Chiodo E., Assing L. 2018. Agroturismo e circuitos curtos de comercialização de alimentos orgânicos na Associação “Acolhida na Colônia”-SC/Brasil. Revista de Economia e Sociologia Rural, 56:517-534.
Gherardi S. 2009. Practice? It´s a matter of taste! Management Learning., 40(5):535-550. doi:10.1177/1350 507609340812
Guzzatti TC. 2003. O agroturismo como instrumento de desenvolvimento rural: sistematização e análise das estratégias utilizadas para a implantação de um programa de agroturismo nas encostas da Serra Geral. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.
Guzzatti TC. 2010. O agroturismo como elemento dinamizador na construção de territórios rurais: o caso da Associação de Agroturismo Acolhida na Colônia em Santa Rosa de Lima (SC). Tese de Doutorado. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.
Guzzatti TC. 2019. Acolhida na Colônia: um espaço de vida e encontros. EdiUNESC, Criciúma, 231 pp.
Guzzatti TC., Sampaio CAC., Coriolano LN. 2013. Turismo de base comunitária em territórios rurais: caso da Associação de Agroturismo Acolhida na Colônia (SC). Revista Brasileira de Ecoturismo (RBEcotur), 1.
Heidegger M. 2010. Being and Time: a revised edition from Stambaugh translation. State University of New York Press, Albany, 482 pp.
Kapp KW. 1950. Social costs of private enterprise. Harvard University Press , Cambridge, Massachussets.
Lanigan R. 2013. Communicology and Culturology: semiotic phenomenological method in applied small group research. The Public Journal of Semiotics, IV(2):71-103.
Lima FB., Silva YF. 2019. Turismo Comunitário e Desenvolvimento Local: uma revisão integrativa sobre a Acolhida na Colônia. Caderno Virtual de Turismo, 19(2):1-13. doi:https://doi.org/10.18472/cvt.19n2.2019.1443
Manidis M. 2015. Practising knowing at work: a case study in healthcare. Teoria e Prática em Administração, 5(2): 27-50.
Martendal AG., Tomio M. 2015. Gestão Familiar no Agroturismo em Santa Catarina: a experiência da Acolhida na Colônia. Revista Turismo Em Análise, 26(4): 903-918. doi:https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v26i4p903-918
Martins MR. (2013). Projetos de vida de jovens rurais: o caso do roteiro agroturístico" Acolhida na Colônia" em Santa Rosa de Lima-SC. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 135 pp.
Nicolini D. 2009. Articulating Practice through the interview to the double. Management Learning, 40(2):195-212.
Nicolini D. 2013. Practice, Theory, Work and Organization – an introduction. Oxford University Press, Oxford.
Oliveira JG., Silva JM., Bohn L., Sampaio CAC. 2017. Cyklistforbundet: da ecossocioeconomia à convivencialidade. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 41:19-39.
Painter J. (2010). Rethinking territory. Antipode, 42(5):1090-1118. doi:10.1111/j.1467-
Pantzar M., Shove E. 2010. Understanding innovation in practice: a discussion of the production and re-production of Nordic Walking. Technology Analysis & Strategic Management, 22(4 ):447-461. doi:http://dx.doi.org/10.1080/09537321003714402
Pimentel R., Nogueira EES. 2018. Estudos baseados na prática: possibilidades metodológicas para pesquisas em estudos organizacionais. Organizações & Sociedade, 25(86):350-370. doi:10 .1590/1984-9250861
Prus R. 1996. Symbolic Interaction and Ethnographic Research – Intersubjectivity and the study of human lived experience. State University of New York Press , New York, 301 pp.
Rede Omnia. (homepage na internet). Mapa do Brasil. Acesso em 28 de agosto de 2023, disponível em Mundo Educação: https://mundoeducacao.uol.com.br/geografia/mapa-brasil.htm
Rocha E. S., Flores LC., Pereira RM. 2017. Gênese e Formação Socioespacial da Região do Vale do Itajaí, SC, Brasil: projeto Acolhida na Colônia. Revista Turismo Em Análise, 28(2):191-205. doi:https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v28i2p191-205
Sachs I. 1996. Ecodesenvolvimento: crescer sem destruir. Vértice, São Paulo.
Sachs I. 2007. Rumo à Ecossocioeconomia: teoria e prática do desenvolvimento. Cortez Editora, São Paulo.
Sampaio CAC., Alves FK. 2019. Ecossocioeconomias: um conceito em construção. In: CAC Sampaio et al. Ecossocioeconomias: promovendo territórios sustentáveis. Editora FURB, Blumenau.
Sampaio CAC., Fernandes V., Etxagibel JA., Gabilondo LA. 2014. Da Socioeconomia para a Ecossocioeconomia: a experiência paradigmática do cooperativismo de Mondragon. In: JE Lima., SM Maciel-Lima., (Socio)Ecologismo dos Povos do Sul: clamores por justiça Editora UFPR, Curitiba, p. 277-298.
Sampaio CAC., Grimm IJ., Alcântara LC., Mantovaneli Jr. O. 2019. Ecossocioeconomias: promovendo territórios sustentáveis. Edifurb, Blumenau.
Sampaio CAC., Grimm IJ., Alcântara L., Mantovaneli Jr. O., Parks CD., Fernandes V. 2020. Eco-socioeconomies: analysis of experiences in the West of the United States of America. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento, 16:369-382.
Sampaio CAC. 2010. Ecossocioeconomia das organizações: gestão que privilegia uma outra economia. Edifurb, Blumenau, 128 pp.
Sampaio CAC. 2019. Ecossocioeconomias: um conceito em construção. In: CAC Sampaio, I J Grimm, LC Alcântara, O. Mantovaneli Jr, Ecossocioeconomias: promovendo territórios sustentáveis. Edifurb, Blumenau, p. 11-28.
Sandberg J., Tsoukas H. 2011. Grasping the logic of practice: theorizing through practical rationality. Academy of Management Review, 36(2): 338-360.
Schatzki T. 2002. The Site of the Social: a philosophical exploration of the constitution of social life and change. Pennsylvania State University Press, Pennsylvania.
Schatzki T. 2006. On organizations as they happen. Organization Studies, 12:1863-1873. doi: https://doi.org/10.1177/0170840606071942
Schatzki T. 2012. A Primer on Practices. In: J HIGGS et. al.., (eds.), Practice-Based Education: Perspectives and Strategies. (S. Publishers, Ed.)
Schatzki T. 2016. Practices, governance and sustainability. In: Y Strengers, C Maller, Social Practices, Intervention and Sustainability, Routledge, New York, p. 15-30.
Shove E., Pantzar M., Watson M. 2012. The Dynamics of Social Practice: everyday life and how it changes. SAGE Publications, London.
Walkowski MC., Damo MR., Loch C. 2017. Projeto Acolhida na Colônia no Estado de Santa Catarina - SC: Um Território de Identidade e Turismo sob a Ótica da Linguagem de Padrões. Turismo: Visão e Ação, 19(2):319-347. doi:10.14210/rtva.v18n2.p319-347.
Walkowski MC., Pires PD., Lopes CV., Assing L. 2021. Memórias Alimentares no Turismo de Base Comunitária da Acolhida na Colônia, Santa Catarina, Brasil. Rosa dos Ventos- Turismo e Hospitalidade, 13(1):156-176. doi:http://dx.doi.org/10.18226/21789061.v13i1p156.

Downloads

Publicado

2023-10-27

Como Citar

PIMENTEL, Ricardo; SAMPAIO, Carlos Alberto Cioce. Contribuições para a Sistematização de Experiências Ecossocioeconômicas: Um Estudo na Associação Acolhida na Colônia Urubici. Fronteira: Journal of Social, Technological and Environmental Science, [S. l.], v. 12, n. 3, p. 177–193, 2023. DOI: 10.21664/2238-8869.2023v12i3.p177-193. Disponível em: https://revistas2.unievangelica.edu.br/index.php/fronteiras/article/view/6850. Acesso em: 20 abr. 2024.