Parque Estadual do Sítio Rangedor, Maranhão, Brasil: Aspectos Socioeconômicos e Percepção Ambiental dos Visitantes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21664/2238-8869.2023v12i3.p106-126

Palavras-chave:

meio ambiente, unidade de conservação, visitação em área protegida

Resumo

O Parque Estadual do Sítio Rangedor, anteriormente classificado como Estação Ecológica (ESEC), teve sua categoria alterada para Parque Estadual em 2016. como uma estratégia de gestão ambiental, favorecendo a intervenção em suas áreas degradas e priorizar o uso do espaço pela população. Com base nisso, foi construído um complexo ambiental, dentro da UC, que visa proporcionar um amplo espaço de lazer e para práticas de atividades físicas à população. Inseridos nesse contexto, objetivou-se com a realização desta pesquisa, conhecer o perfil dos visitantes do Parque Estadual do sítio Rangedor/ MA, sua percepção ambiental e conhecimento sobre as briófitas. A pesquisa foi realizada por meio de observação direta e indireta, com aplicação de 300 formulários semiestruturado contendo 21 questões, abertas e fechadas, aplicado aos visitantes da UC, acima de 18 anos. Os visitantes são em sua maioria foram do gênero feminino (53,5%), jovens (41%) e solteiros (52%), oriundas de são Luís, de bairros próximos à UC e de outros bairros vizinhos (91%). Foi observado que 35,5% do público visitante da UC possui um alto nível de escolaridade. Sobre a percepção ambiental, 49% dos visitantes consideram a poluição como o principal problema ambiental e o homem como o principal agente responsável. E ainda, consideram a criação e manutenção de áreas protegidas fator importante para o uso público. No que tange o conhecimento sobre as Briófitas constatou-se que 79,5% dos visitantes consideram as briófitas como um vegetal (planta ou musgo), apesar de muitos não saberem indicar uma importância e uso dessas plantas. Os dados coletados servirão como ferramenta importante para propor metodologias de educação e sensibilização ambiental, visando garantir uma maior integridade da área, configurando-se como meio de apoio aos instrumentos e ferramentas do sistema para a tomada de decisão de gestão da UC.

Referências

Alam A. 2016 Ethnobryology Of India. In: Pullaiah, T.; Krishnamurth, K.V.; Bahadur B, eds. Ethnobotany of India, V. 2, Western Ghats and West Coast of Peninsular India. New Jersey, USA: Apple Academis Press, p. 313-329. 2016. ISBN: 978-1-77188-404-4 108.
Albuquerque BP. 2007. As relações entre o homem e a natureza e a crise sócio-ambiental. Rio de Janeiro, RJ. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).
Asakawa Y, Heidelberger M & Asakawa Y. 1982. Chemical constituents of the Hepaticae (pp. 1-285). Springer Vienna.
Brasil. Ministério da Saúde. 2023. Coronavírus, como se proteger? Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/coronavirus/como-se-proteger. Acesso em set 2021.
Backes L, Rudzewicz L. 2012. A Visão Dos Turistas Sobre A Experiência De Ecoturismo No Parque Estadual de Itapuã–RS. Anais do VII Seminário de Pesquisa em Turismo do Mercosul. Turismo e Paisagem: relação complexa. Caxias do Sul, UCS, 16.
Berkes F. 1993. Conhecimento ecológico tradicional em perspectiva. Páginas. 1-9º. em Inglis TJ Conhecimentos Ecológicos Tradicionais: Conceitos e Casos. Ottawa: Museu Canadense da Natureza e Centro Internacional de Pesquisa em Desenvolvimento.
Bresolin AJ, Zakrzevski SBB, Marinho JR. 2010. Percepção, comunicação e educação ambiental em unidades de conservação: um estudo no Parque Estadual de Espigão Alto–Barracão/RS–Brasil. Revista Perspectiva, 34, 128, p. 103-114.
Brito DMC. 2008. Conflitos em unidades de conservação. PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP, 1(1).
Bruno M, de Araújo R T N, Rocha, CTV., de Melo DMA, & dos Santos RF 2011. Perfil dos visitantes do Parque Municipal Fazenda Lagoa do Nado na região metropolitana de Belo Horizonte (MG). e-Scientia, 4(1), 12-20.
Castro J, Faria H, Pires A S, & Oliveira, S 2007. O perfil dos visitantes do Parque Estadual do Morro do Diabo, Estado de São Paulo. Seminário de Iniciação Científica do Instituto Florestal, 113-116.
Cole DN, Watson AE, Hall Te & Spildie, DR. 1997. High-use destinations in wilderness: Social and biophysical impacts, visitor responses, and management options.
Di Giulio GM & Vasconcellos MDP. 2014. Contribuições das Ciências Humanas para o debate sobre mudanças ambientais: um olhar sobre São Paulo. estudos avançados, 28, 41-63.
Dornelles EP. 2014. Espaços públicos para atividade física e lazer em Capão da Canoa/RS. Monografia (Bacharelado em Educação Física), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre/RS.
Drobnik J & Stebel A. 2014. A Medicinal moss in pre-Linnaean bryophyte floras of central Europe. An example from the natural history of Poland. Journal of Ethnopharmacology, v. 153, n. 3, p, 682-685. Doi https://doi.org/10.1016/j.jep.2014.03.025Get rights and content
Drobnik J & Stebel A. 2017. Tangled history of the European uses of Sphagnum moss and sphagnol. Journal of Ethnopharmacology, 209, 41-49.
Dutra VC, De Senna, MLGS, Napolitano M & Adorno LFM 2008. Caracterização do perfil e da qualidade da experiência dos visitantes no Parque Estadual do Jalapão, Tocantins. Caderno virtual de turismo, 8(1), 104-117.
Fernandes RS, Souza VJD, Pelissari VB & Fernandes ST. 2004. Uso da percepção ambiental como instrumento de gestão em aplicações ligadas às áreas educacional, social e ambiental. Encontro Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade, 2(1), 1-15.
Federação de Esportes de Montanha do Estado do Rio de Janeiro (FEMERJ). Recomendações sobre a região da Urca – Rio de Janeiro. 2002. 5p. Disponível em: http://www.femerj.org/wp-content/uploads/urca_seminario_minimo_impacto_paredes_2002 .pdf. Acesso em: 05/01/2022
Flowers S 1957. ethnobryology of the Gosuite Indians of Utah. The Bryologist, 60(1), 11-14.DOI: https://doi.org/10.2307/3240044
Freitas WK, Magalhães LMS & Dos Santos Guapyassú M. 2002. Potencial de uso público do Parque Nacional da Tijuca. Acta Scientiarum. Technology, 24, 1833-1842.
Glime, J. M. 2022. Introdução. Chapt. 1. In: GLIME, J. M. Ecologia de Briófitas. Volume 1. Ecologia Fisiológica. Ebook patrocinado pela Michigan Technological University e pela International Association of Bryologists. 2017. Disponível em: https://digitalcommons.mtu.edu/cgi/viewcontent.cgi?referer=&httpsredi r=1&article=1000&context=bryo-ecol-subchapters. Acesso em: nov. 2022.
Gonçalves NDM, Hoeffel JDM. 2012. Percepção ambiental sobre unidades de conservação: os conflitos em torno do Parque Estadual de Itapetinga-SP. Revista Vitas-Visões transdisciplinares sobre ambiente e sociedade, 3, 3, 1-15.
Gonçalves JC. 2008. Homem-natureza: uma relação conflitante ao longo da história. Revista Saber Acadêmico, 6(1), 171-177.
Gradstein SR, Churchill SP & Salazar-Allen N. 2001. Guide to the bryophytes of tropical America. Memoirs-New York Botanical Garden.
Hammer Ø, Harper Da & Ryan Pd. 2001. PAST: Paleontological statistics software package for education and data analysis. Palaeontologia electronica, 4(1), 9.
Harris ES. 2008. Ethnobryology: traditional uses and folk classification of bryophytes. The bryologist, v. 111, n. 2, 169-217. 2008. DOI: https://doi.org/10.1639/0007-2745(2008)111[169:etuafc]2.0.co;2
Hernández-Rodríguez E & Delgadillo-Moya C. 2021. The ethnobotany of bryophytes in Mexico. Botanical Sciences, 99(1), 13-27.
IUCN (América do Sul – Escritório Regional). Relatório Anual –2019. Disponível em: <https://portals.iucn.org/library/sites/library/files/documents/2020-012-Pt.pdf>, Acesso em: 09 set 2023.
Jacobi PR 2003. Espaços públicos e práticas participativas na gestão do meio ambiente no Brasil. Sociedade e Estado, 18, 315-338.
Kinker S. 1999. Ecoturismo e a conservação da natureza em parques nacionais brasileiros: estudo de caso dos Parques Nacionais de Aparados da Serra e Caparaó. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais), Universidade de São Paulo, 429p.
Kitagawa AT, Da Costa MC, De Lima LJM, Kitagawa MG, Aguiar H, Salles RDOL & dos Santos Silva NC. 2013. PERFIL DOS VISITANTES DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL DA TAQUARA, DUQUE DE CAXIAS, RJ. Anais do Uso Público em Unidades de Conservação, 1(3), 01-08.
Malta RR & da Costa NMC. 2009. Gestão do uso público em unidade de conservação: a visitação no Parque Nacional da Tijuca-RJ. Revista Brasileira de Ecoturismo (RBEcotur), 2(3).
Maranhão. Disponível em: http://www.ma.gov.br/agenciadenoticias/desenvolvimento/ meio-ambiente/construcao-do-parque-estadualsitio-do-rangedor-comeca-nesta-semana. 2017.
Maranhão. Disponível em: http://www.ma.gov.br/agenciadenoticias/desenvolvimento/ meio-ambiente/construcao-do-parque-estadualsitio-do-rangedor-comeca-nesta-semana. 2020.
Maroti P, Santos J & Pires J. 2000. Percepção ambiental de uma unidade de conservação por docentes do ensino fundamental. Estudos integrados em ecossistemas: estação ecológica de Jataí. São Carlos: Rima, 1, 207-217.
Ministério do Meio Ambiente (MMA). Diretrizes para Visitação em Unidades de Conservação. Brasília, DF, 2006.
Merlau-Ponty, M. 1994. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins.
Mittermeier RA, Da Fonseca, GA, Rylands, AB & Brandon K. 2005. A brief history of biodiversity conservation in Brazil. Conservation Biology, 601-607.
Nelson SP & Pereira E. 2012. Uso público nas unidades de conservação. CASES, ML Gestão de Unidades de Conservação: compartilhando uma experiência de capacitação. Brasília: WWF-Brasil, 215-237.
Primack RB & Rodrigues E. 2001. Biologia da conservação. Londrina. Planta, 656.
Pôrto KC. 1990. Bryoflores d'une forêt de plaine et d'une forêt d'altitude moyenne dans l'État de Pernambuco (Brésil): Analyse floristique. Cryptogamie. Bryologie, lichénologie, 11(2), 109-161.
Proctor MC, Oliver MJ, Wood AJ, Alpert P, Stark LR, Cleavitt NL & Mishler BD. 2007. Desiccation-tolerance in bryophytes: a review. The bryologist, 110(4), 595-621.
Raimundo S. 2020. Em Busca da Sustentabilidade Perdida: Lazer e Turismo Diante das Desigualdades Socioambientais. Editora Appris.
Rodaway P. 2002. Sensuous geographies: body, sense and place. Routledge.
Ribeiro TG, Cronemberger C. 2007. Perfil do visitante do Parque Nacional da Serra dos Órgãos. In: Encontro Interdisciplinar de Ecoturismo em Unidades de Conservação, 2., Congresso Brasileiro de Ecoturismo, .6. Anais... Rio de Janeiro, 2007.
Rodrigues ML, Malheiros, TF, Fernandes V & Dagostin Darós T. 2012. A percepção ambiental como instrumento de apoio na gestão e na formulação de políticas públicas ambientais. Saúde e sociedade, 21, 96-110.
Santos, N. D.; Da Silva, N. F.; De Oliveira, T. P. 2015. O que ensinamos sobre as primeiras plantas terrestres: análise de livros didáticos do ensino médio.
Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais (SEMA). 2017. Parque Estadual do Sítio do Rangedor - Plano de Manejo. Disponível em: http://www.sema.ma. gov.br/arquivos/1508965820.pdf. Acesso em: 20 outubro 2021.
Silva TSD, Cândido GA, Freire EMX. 2009. Conceitos, percepções e estratégias para conservação de uma estação ecológica da Caatinga nordestina por populações do seu entorno. Sociedade & Natureza, 21, 23-37. ISSN 1982-4513. DOI: https://doi.org/10.1590/S1982-45132009000200003.
Soares LSV, Marinho RCO. 2018. As modificações de tipologia de unidade de conservação de proteção integral: uma análise do caso “Rangedor” em São Luís (MA). Revista Ceuma Perspectivas. 31(1): 27-33.
Takahashi LY. 2013. Caracterização dos visitantes, suas preferências e percepções e avaliação dos impactos da visitação pública em duas unidades de conservação do Estado do Paraná.
Teixeira TH, Neto JAF.; De Moura RA, De Figueiredo NA. 2017. As Unidades de Conservação de Uso Sustentável no Bioma Amazônico: Dilemas e Perspectivas Para o Desenvolvimento Sustentável. Revista Portuguesa de Estudos Regionais, n. 46, p. 71–89.
Temoteo JAG, Brandão JMF, Crispim MC. 2018. Turismo e sustentabilidade em unidades de conservação: um estudo sobre as alternativas de emprego e renda na área de proteção ambiental da barra do rio Mamanguape-PB. Revista Gestão Ambiental e Sustentabilidade, São Paulo, 7, 1 p.43-61.
Tomiazzi AB, Villarinho FM, Macedo RLG, Venturin N. 2006. Perfil dos visitantes do Parque Natural Municipal do Mendanha, município do Rio de Janeiro-RJ. Cerne, 12, 4, p. 406-411.
Torres DF, Oliveira ES. 2008. Percepção ambiental: instrumento para educação ambiental em unidades de conservação. REMEA – Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 21.
Yi-Fu TUAN. 1983. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo: Difel.
Vaz DMS. 2010. Perfil dos visitantes do Parque Natural Municipal do Açude da Concórdia-Valença (RJ). Revista Brasileira de Ecoturismo (RBEcotur), 3, 1.
WWF-Brasil. 2022. Efetividade da Gestão das Unidades de Conservação Federais do Brasil: Resultados de 2010, Brasília. 2012. Disponível em: http://www.wwf.org.br/ Acesso em: junho de 2022.

Downloads

Publicado

2023-10-27

Como Citar

OLIVEIRA, Regigláucia Rodrigues de; ANDRADE, Ivanilza Moreira de; CAMPOS, Francilene Leonel; CONCEIÇÃO, Gonçalo Mendes da. Parque Estadual do Sítio Rangedor, Maranhão, Brasil: Aspectos Socioeconômicos e Percepção Ambiental dos Visitantes. Fronteira: Journal of Social, Technological and Environmental Science, [S. l.], v. 12, n. 3, p. 106–126, 2023. DOI: 10.21664/2238-8869.2023v12i3.p106-126. Disponível em: https://revistas2.unievangelica.edu.br/index.php/fronteiras/article/view/6748. Acesso em: 20 abr. 2024.